Sociedade

Um quinto das mulheres negras em Portugal sofreu violência obstétrica

"O facto de as mulheres negras serem rotuladas por terem muitos filhos influencia", aponta uma das inquiridas.

Segundo o estudo ‘Experiências de gravidez, parto e pós-parto de mulheres negras e afrodescendentes em Portugal’, criado pela Associação Saúde das Mães Negras e Racializadas em Portugal (Samanepor), mais de um quinto das mulheres negras e afrodescendentes em Portugal sofrem violência obstétrica na gravidez e quase um quarto no parto, situações que associam à raça, idade e condição social.

O relatório aponta que a maioria das inquiridas relatou “sentimentos positivos ao longo da gravidez”. No entanto, 10,7% não se sentiram respeitadas pelos profissionais de saúde durante a gravidez, 33,5% sentiram-se mesmo humilhadas e 41,1% negligenciadas.

Do total das 158 inquiridas, 21,4% afirmaram ter sofrido, durante a gestação, “violência obstétrica relacionada com questões de raça/etnia, idade, condição social ou outros factores”.

“O facto de ser negra influencia. O facto de ter um ar mais jovem também influencia. O facto de as mulheres negras serem rotuladas por terem muitos filhos, que não fazem mais nada a não ser ter filhos, também”, afirmou Iva, uma das várias inquiridas neste estudo divulgado esta segunda-feira.


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito