Opinião

Violência VS Alienação Parental

As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente o seu autor.

Durante os casos de suspeita de violência doméstica, e quando estão envolvidas crianças, é fundamental que os tribunais procurem dar prioridade ao interesse superior da criança. Quando este não for o caso, os tribunais correm o risco de colocar tanto as vítimas de violência doméstica como os seus filhos em risco de trauma e danos adicionais. Os tribunais de família devem abster-se de confiar na “alienação parental” como justificação para dar prioridade aos direitos dos autores de violência doméstica a uma família, em detrimento dos direitos fundamentais das crianças

“Alienação parental” é um termo utilizado em todo o mundo para se referir a atos que fazem com que as crianças rejeitem injustificadamente um dos seus pais, muitas vezes os seus pais (homens). O termo tem raízes na crença arcaica de que é comum que um dos pais, muitas vezes as mães, convençam erroneamente os seus filhos a rejeitarem e a distanciarem-se dos pais. A alienação parental é, portanto, a acusação de que um dos pais está a empurrar ilegalmente um filho para se alienar do outro progenitor. 

Os tribunais muitas vezes não consideram como as alegações de violência doméstica falhadas podem agravar os ambientes abusivos existentes, forçando as vítimas e os seus filhos a suportar contactos desenfreados com os seus agressores. Os padrões de abuso familiar estendem-se frequentemente às crianças; evidências em Portugal, afirmam que mais de 40% dos casos de alienação parental envolveram abuso doméstico ou infantil.

Os preconceitos judiciais em relação à perceção das mães como potenciais manipuladoras também prejudicam a atuação da criança. Não é incomum que pais abusivos recebam direitos de visita ou custódia, mesmo quando se comprova a ocorrência de violência física à progenitora. Os tribunais também são geralmente relutantes em proteger as mães que agem para proteger os seus filhos. Na verdade, as mães podem até enfrentar reprimendas, ou falsos julgamentos por violarem os direitos de custódia para proteger os seus filhos. 

As mães podem até não partilhar informações sobre os seus abusos por medo de que os tribunais as punam por alienação parental. Em casos extremos relatados em vários países, as crianças foram retiradas dos seus cuidadores e forçadas a “viver” com o progenitor perpetrador. 

Em particular, os tribunais ignoram frequentemente provas claras de controlo coercivo, abuso físico e sexual, violência entre parceiros íntimos e outros danos registados. Os tribunais de família geralmente defendem a opinião padrão de que a guarda partilhada é preferida, colocando um fardo significativo sobre as vítimas para provarem o seu abuso e correrem o risco de dupla vitimização. 

Além disso, devem ser criados sistemas para definir a abordagem à guarda dos filhos em casos de violência doméstica e rever as decisões existentes. Um mecanismo de supervisão dos sistemas judiciais limitará o amplo poder dos tribunais e permitirá que as jurisdições garantam que os melhores interesses da criança sejam uma prioridade.

Finalmente, devem ser criados sistemas para apoiar as vítimas de violência doméstica e os seus filhos, incluindo serviços de aconselhamento especializados para capacitar as vítimas a levarem casos robustos a tribunal e a contornar a probabilidade de utilização da alienação parental.

Será que estamos assim tão preparados em Portugal?


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito