Opinião

Não gosto de ti

Ser amada, ser gostada, ser vista, ter sucesso, ser admirada, ser validada e aprovada….

Estas serão algumas das necessidades mais citadas nos dias de hoje e corresponderão aos desejos de muitos.

O ser humano não lida bem com a rejeição, com a ausência ou retirada de afeto e quando tal se verifica terá tendência a entrar em crise, mais ou menos grave, com prevalência de tristeza, ansiedade e, amiúde, com impacto negativo na autoconfiança e na autoestima.

Não me parece que, a maioria de nós, eduque as crianças para a frustração. Não me parece que ensinemos os nossos filhos sobre liberdade de gostar. Que lhes expliquemos que nem todas as pessoas vão gostar deles e que não os obrigamos a gostar de todos. E que não faz mal que assim seja. Todos devem ser respeitados, isso sim. Mas amar e gostar serão de outro campeonato.

Quem aceita que não faz mal não agradar a todos, quem deixa de incessantemente, procurar aprovação e elogios, aprende a viver muito mais em verdade e em liberdade de ser!

Livre de amarras, preconceitos e estereótipos. Muito mais capaz da singularidade, da diversidade e da criatividade. Muito menos preso à ditadura dos fenómenos de grupo e da necessidade exacerbada de pertença.

Não gostarem de nós, não significa que não temos valor. Significará apenas que, aquela pessoa ou aquelas pessoas, não se identificam com as nossas caraterísticas, crenças e/ou comportamentos.

A capacidade de nos autoanalisarmos, a necessidade de nos reinventarmos e de sermos melhor, é muito importante na construção desta independência relativamente ao que os outros sentem por nós.

Ame-se e viva em paz com o amor ou desamor do Outro por si!


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito