AtualidadeMoita

Moita | Tribunal condena ex-presidente da Raríssimas a pena suspensa

Paula Brito da Costa, ex-presidente da associação Raríssimas na Moita, foi esta quarta-feira condenada a uma pena suspensa de dois anos de prisão e uma indemnização de cerca de 12.800 euros, acusada de usar em benefício próprio o património da Associação.

A informação é avançada pela Lusa, a quem Pedro Duro, advogado de Paula Brito da Costa, explicou que o tribunal não deu como provado o crime de falsificação de documento de que estava acusada.

O montante da indemnização é referente ao total que o tribunal considerou como provado ter sido ilegitimamente apropriado por Paula Brito da Costa, sendo que a acusação imputava à antiga dirigente da associação a apropriação ilegítima de 102 mil euros.


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito

2 Comentários

  1. Mais do mesmo!os que roubaram nunca vão presos! Pobre país este