DestaqueDistrito de SetúbalSaúde

“Soluções pontuais não resolvem problema permanente”

Não são recentes os problemas das urgências no Centro Hospitalar de Setúbal (CHS), mas neste caso concreto, falamos do encerramento das urgências pediátricas durante 1 semana.

Os presidentes de Setúbal, Palmela e Sesimbra, na tarde desta sexta-feira, dia 9 de dezembro, deixaram claro que, caso não tenham resposta do Ministro da Saúde quanto ao pedido de reunião urgente [pedido esta terça-feira, 6 de dezembro, pelas autarquias] até domingo à tarde, a manhã de segunda-feira será guardada para ir rumo a Lisboa, com destino às portas do ministério: “para sermos recebidos e termos essa reunião ou, eventualmente, agendarmos uma data”.

O presidente da autarquia sadina, André Martins, ressalvou ainda o prolongar temporal deste problema no CHS, que afeta cerca de “300 mil utentes”, entre quem mora nos municípios da Arrábida, e quem usufrui dos serviços de saúde do Hospital S. Bernardo, e mora no litoral alentejano.

Esta situação deve-se, para os autarcas, a uma “evidente falta de profissionais, de um quadro estabilizado de serviço no Centro Hospitalar de Setúbal”.

“A resposta que hoje nos dão é de que vão resolver os problemas com a contratação de mais um tarefeiro [profissionais contratados pontualmente para assegurar serviços necessários] para cada um dos serviços que estão em dificuldades. Isto não é caminho”, desabafa o presidente do município sadino.

Álvaro Amaro, presidente da Câmara Municipal de Palmela, reforça os fechos contínuos e repetitivos das urgências e especialidades no CHP, que diz serem “demasiado recorrentes” e que afetam a uma escala enorme toda a população dos concelhos lesados.

Num comunicado enviado no início desta semana, os presidentes ressalvam que esta é uma situação generalizada, com uma falência por todo o SNS – Serviço Nacional de Saúde, que é “evidente através dos “baixos níveis salariais, nas deficientes condições de trabalho e na estagnação da evolução das carreiras”.

Os municípios consideram “incompreensível a falta de integração de cuidados entre o CHS e o ACES Arrábida, que agrupa os serviços de cuidados de saúde primários”.

À saída de um Conselho de ministros da Saúde da União Europeia, em Bruxelas, o Ministro da Saúde, Manuel Pizzarro, disse que assim que chegasse o convite, aceitaria e marcaria a reunião: “Seguramente que sim. Eu tenho recebido todas as pessoas, grupos profissionais e presidentes de Câmara que queiram falar comigo”.


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito