DestaqueEconomia
Em Destaque

Renovação de Layoff na Fábrica de Sines preocupa sindicato

Indorama Ventures estende layoff por mais seis meses; SITE-Sul alerta para impacto nos trabalhadores.

A Indorama Ventures, multinacional tailandesa com fábrica em Sines, anunciou a extensão do layoff por mais seis meses, afetando diretamente 130 trabalhadores. O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE-Sul) expressou grande preocupação com esta medida, destacando as dificuldades enfrentadas pelos funcionários que já vivem com metade do salário há mais de seis meses.

Hélder Guerreiro, representante do SITE-Sul, declarou à agência Lusa: “O sindicato está preocupado essencialmente com a situação dos trabalhadores da Indorama, porque há mais de seis meses que vivem com metade do seu salário e todos os problemas que isso acarreta”. Segundo Guerreiro, a administração da Indorama decidiu prolongar o layoff, iniciado em outubro de 2023, até outubro deste ano.

Apesar da situação, parte dos trabalhadores em layoff procurou alternativas dentro e fora da região. Atualmente, cerca de metade dos 130 funcionários permanece nesta situação. O sindicato reuniu-se recentemente com a administração da fábrica, mas ainda não há clareza sobre o futuro após outubro.

“A nossa preocupação é que a empresa continue a operar em Portugal, mantendo os postos de trabalho e contribuindo para a economia local”, afirmou Hélder Guerreiro. O sindicalista destacou a importância de evitar a deslocalização da fábrica para o sudoeste asiático.

O layoff, conforme o Código do Trabalho, permite uma redução temporária dos períodos de trabalho ou a suspensão dos contratos, com os trabalhadores recebendo uma compensação mensal correspondente a dois terços do salário normal ilíquido. A Indorama Ventures adquiriu a fábrica, anteriormente pertencente à Artlant, em 2017, num investimento de 28 milhões de euros. A unidade produz ácido tereftálico purificado, essencial na fabricação de embalagens plásticas.

O sindicato continua vigilante e garantirá que a empresa mantenha as suas operações em Portugal, protegendo assim os empregos e a estabilidade dos trabalhadores.


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito