Economia

Portos de Lisboa e Sines impulsionados por crise marítima Internacional

A crise no transporte marítimo global, causada pelos ataques dos rebeldes houthis a navios comerciais no mar Vermelho, tem um impacto significativo nos portos portugueses de Lisboa e Sines.

Desde o final de 2023, os armadores desviam as suas rotas para o cabo da Boa Esperança, ligando a Ásia à Europa, o que resultou num aumento substancial na movimentação de carga nesses portos.

Nos primeiros dois meses deste ano, tanto o Porto de Sines quanto o Porto de Lisboa registaram crescimentos superiores a 20% na carga movimentada, em comparação com o mesmo período de 2023, conforme dados da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), citados pelo ‘Negócios’.

Diogo Marecos, administrador da Liscont, a concessionária do terminal de contentores de Alcântara, afirmou que a insegurança no mar Vermelho beneficia os portos portugueses.

A necessidade atual dos armadores de usarem a rota atlântica permite que os grandes porta-contentores cheguem mais facilmente à Europa, impulsionando os números de movimentação de carga”, disse o responsável pela Liscont.

O Porto de Sines registou um aumento de 20,5% na carga movimentada até fevereiro, enquanto Lisboa viu um incremento de 20,1%. Este crescimento foi um fator crucial para um aumento geral de 11% nos portos nacionais.

Esta situação evidencia como eventos geopolíticos podem influenciar significativamente a logística e o comércio global, redirecionando fluxos de transporte e beneficiando infraestruturas portuárias estratégicas como as de Lisboa e Sines.


ÚLTIMA HORA! O seu Diário do Distrito acabou de chegar com um canal no whatsapp
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito